25 de mai de 2012

BA, VÍDEO: ESTUPRO TELEVISIVO


A internet possui esta peculiaridade: por motivos nem sempre claros, uma foto, um texto, uma frase ou um vídeo tornam-se célebres repentinamente, dignos de risos, admiração, ou mesmo repulsa e ódio. Com a potencialização de compartilhamento das redes sociais, o fluxo dos sentimentos se intensifica, e é possível criar personalidades, destruir carreiras, condenar posturas. Neste momento, um dos conteúdos publicados na rede que mais têm gerado manifestações é o vídeo em que uma repórter de um programa televisivo baiano ridiculariza um suspeito de estupro:


Quando escrevo este texto, são mais de 500.000 visualizações do vídeo, sendo que cerca de 85% dos usuários que o qualificaram disseram que “não gostaram” do conteúdo. Antes tarde do que nunca: não é de hoje que se alerta para a midiatização da violência através do reforço de estereótipos e da simbolização da atividade policial em termos nocivos às próprias polícias, que se tornam reféns de um modelo exclusivamente repressivo, não qualificado, que é destacado irresponsavelmente como eficiente – desestimulando, assim, o investimento político em ações planejadas, consolidadas e preventivas. Em poucas palavras, o brilho parcial lançado à repressão de jovens pobres e negros impede outro modo de lidar com estas pessoas que não através da lógica do extermínio e do encarceramento.

Neste episódio, só surpreende o espanto assumido pelo público em geral, inclusive dos jornalistas que se manifestaram em carta aberta repudiando a postura dos colegas, já que cenas semelhantes se repetem em larga escala cotidianamente, sob os olhares complacentes (ou politicamente receosos?) das autoridades constituídas.

Tanto é comum e rotineiro, que o apresentador do programa em que a matéria foi ao ar vem se manifestando contra este repentino pudor de seus espectadores:




Sob o discurso da “liberdade de imprensa”, instituto fundamental à manutenção da democracia, cometem-se ilegalidades e abusos que aprofundam as marcas históricas de discriminação e desrespeito aos setores vulneráveis da sociedade – ou alguém acha que cenas assim ocorreriam com um “bem nascido”? 

Errou a repórter, animadora de baixa qualidade, erraram a emissora e os responsáveis pelo programa, que sedentos por audiência e acostumados com o absurdo publicaram os abusos, erraram os policiais, que permitiram o achincalhe, e, por fim, erramos todos nós, que há muito toleramos tais conteúdos, sorrindo descaradamente da nossa própria miséria social.

fonte: danillo ferreira, youtube, bahia notícias, uziel bueno

Nenhum comentário:

Postar um comentário

As regras dos comentários são as seguintes:

- Serão rejeitados textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional;

- O comentário precisa ter relação com a postagem;

- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.


* Os comentários são liberados da moderação, com um prazo de 24 horas, os administradores do blogger exercem outros trabalhos e não possuem tempo integral de dedicação ao blogger, desculpem mas só assim é possível.

Aos chorões que acham que temos algo contra a Policia Civil ou determinada OPM, nós só publicamos o que está na mídia com fonte e tudo, não inventamos matérias e não é nossa intenção colocar uma instituição contra a outra, então antes de mandar comentários denegrindo os administradores do Blog, verefique a fonte no final da matéria.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...