3 de out de 2011

PR: SERVIDOR TERÁ DE PAGAR MAIS PARA TER APOSENTADORIA ATUAL

fonte: gazeta do povo

O governo do Paraná estuda criar um fundo complementar de aposentadoria para os servidores públicos do estado. O fundo ajudaria a equilibrar as contas da ParanaPrevidência, cujo passivo atuarial é de R$ 3,4 bilhões. Essa proposta ainda está sendo estudada por técnicos da empresa, que administra o fundo previdenciário do estado, e por técnicos do governo.

Funcionaria da seguinte maneira: o teto das aposentadorias do funcionalismo público do estado, que hoje é de R$ 24,5 mil, cairia para o equivalente ao teto do INSS – R$ 3.691,74. Servidores que desejam ganhar acima desse teto poderiam fazer uma contribuição adicional de até 7,5% para esse fundo complementar. A medida valeria apenas para servidores que ingressarem no serviço público do estado após sua aprovação. Para os atuais, as regras continuam as mesmas.O fundo é parte do estudo de criação de um novo plano de custeio para as aposentadorias do estado. Segundo o secretário de Administração e Previdência do estado, Luiz Eduardo Sebastiani, essas adequações são necessárias para aumentar os rendimentos e reduzir o déficit técnico da empresa. Entre outros pontos a serem discutidos, por exemplo, está a reestruturação etária, que ficou defasada por causa do aumento da expectativa de vida dos paranaenses.

De acordo com o presidente da ParanaPrevidência, Jayme Azevedo de Lima, outro ponto que deve ser modificado é a contribuição do estado para o fundo. Hoje, a maioria dos servidores paga 10,93% e o estado entra com o equivalente a mais 7,5% do salário. Isso significa, na prática, que o fundo recebe 18,43% do salário de cada servidor. A ideia é que o governo passe a contribuir com 11% – subindo a contribuição total para quase 21,93%. A cada ano, o governo tem aumentado em 0,5% sua participação, mas a ideia é que ela salte para 11% de uma vez só.

PASSIVO ALTO

Segundo avaliação das contas do governo do estado em 2010, o passivo atuarial (ou déficit técnico) da ParanaPrevidência é de R$ 3,4 bilhões. Esse dado não é definitivo; com algumas correções de rumo, é possível zerar esse passivo sem que ele chegue a afetar diretamente a população, já que a maioria dos pagamentos só será feita em décadas. Entretanto, o dado reforça a importância de equilibrar as contas da empresa.

Esse valor se refere à diferença entre o que é pago atualmente pelos servidores e pelo governo do estado e o que eles devem receber no futuro – ou seja, quando os funcionários que passaram a contribuir agora puderem se aposentar vai faltar dinheiro. Esse déficit cresceu muito nos últimos cinco anos. Em 2007, ele era de R$ 131,3 milhões, mas subiu para R$ 1 bilhão em 2009 e fechou 2010 em R$ 3,4 bilhões.

Parte desse rombo acontece por conta da não contribuição dos inativos. Desde 2003, no início do governo Requião, eles deixaram de contribuir com 11%. Isso tem um reflexo também no cálculo do déficit técnico, já que a não contribuição dos inativos no longo prazo significa menos dinheiro entrando no fundo previdenciário do estado. Governo e empresa aguardam decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o tema antes de tomar uma decisão sobre o assunto.

Fala Wellington:
Mais uma notícia boa, para aqueles que confiaram no senhor Beto Richa, pois eu tenho a consciência limpa não votei nesse cidadão, mais uma vez o Governador mostra o porquê foi eleito como o pior administrador da história de Curitiba para o funcionalismo público da capital.

O salário do funcionalismo já está totalmente defasado, com raras exceções, e agora vem essa idéia de inflacionar o salário do funcionalismo.

Basta ver a quantidade de pedidos de aposentadoria, antes dos 30 anos de serviço, que podemos analisar o descontentamento ou a falta de vantagem em ficar o período integral.

Vamos esperar e torcer para que pelo menos o STF, seja coerente!

Um comentário:

  1. SEnhores. Esse plano do governo em taxar os inativos esta previsto no artigo 40, §18 da Constituição Federal. No entanto, a materia esta incompleta na sua fundamentação, haja visto que, será descontado até 11% apenas sobre o que exceder o teto maxímo pago pelo regime geral de previdencia, ou seja, o que exceder R$3.691,74. EX: um soldado RR ganha bruto R$3.691,74, portanto ele esta dentro do teto maximo pago pelo regime geral do INSS, portanto, nada seria descontado. Outro exemplo: um coronel RR ganha R$20.000,00 por mês, portanto ganha R$16.308,26 acima do teto maximo do INSS, assim sendo sobre esses R$16.308,26 poderá ser descontado até 11%, ou seja, poderá ser descontado R$1.793,90 por mes. Vale Ressaltar que o teto maximo pago pelo INSS é um valor referencial ao servidor publico. O Regime geral INSS não se aplica aos funcionarios publicos estaduais que possuem regime proprio de previdencia.
    Esperar pra ver. Beto Play nunca mais

    ResponderExcluir

As regras dos comentários são as seguintes:

- Serão rejeitados textos com linguagem ofensiva ou obscena, com palavras de baixo calão, com acusações sem provas, com preconceitos de qualquer ordem, que promovam a violência ou que estejam em desacordo com a legislação nacional;

- O comentário precisa ter relação com a postagem;

- Os comentários são de exclusiva responsabilidade dos respectivos autores e não refletem a opinião deste blog.


* Os comentários são liberados da moderação, com um prazo de 24 horas, os administradores do blogger exercem outros trabalhos e não possuem tempo integral de dedicação ao blogger, desculpem mas só assim é possível.

Aos chorões que acham que temos algo contra a Policia Civil ou determinada OPM, nós só publicamos o que está na mídia com fonte e tudo, não inventamos matérias e não é nossa intenção colocar uma instituição contra a outra, então antes de mandar comentários denegrindo os administradores do Blog, verefique a fonte no final da matéria.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...